<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d21633315\x26blogName\x3deven+death+may+die\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://heathcath.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://heathcath.blogspot.com/\x26vt\x3d-692655775655459863', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
terça-feira, maio 13, 2008
Carta aberta ao meu passado ; 10:17 da tarde
Desculpa.

Talvez quatro anos seja muito tempo para o dizer. Demasiado tempo.

Demasiado pouco demasiado tarde.

Mas não queria não o dizer. Mesmo que só assim.

O que fiz não se faz. Foi infantil e mesquinho e inesculpável. Não o merecias.

Não havia razão na altura e não tenho razões para te dar agora.

Arbitrário, inesperado e injusto.

Não sei que tipo de pessoa é que isso me torna. Um não muito bom, suponho.

Olho para trás e não sei o que dizer. Não há palavras.

Só o vazio, e fui eu quem o deixou.

Por isso peço desculpa.

Mesmo que seja só assim.

Desculpa.



"Umare kawaru koto wa dekinai yo dakedo kawatte wa ikeru kara"
("I cannot be born again, but I can change as I go on")


segunda-feira, fevereiro 05, 2007
Voto Sim ; 9:57 da tarde



Porque todas as mães o devem ser de vontade e todos os filhos devem ser desejados.

Porque nasci numa classe privilegiada que me permitiu acesso à educação e à informação, mas isso não é verdade de todas as outras mulheres deste país.

Porque tenho os recursos para ir exercer noutro país os direitos que me negam neste. Mas nem todas as mulheres têm.

Porque ninguém - nem homem nem mulher nem governo - tem o direito de dar palpites sobre o MEU útero.

Porque o direito à escolha individual não é nem devia ser discutível.

Porque uma pessoa hipotética não se deve nunca sobrepor a uma pessoa real.

Porque uma média de 15 mulheres a morrer por ano em Portugal em consequência de abortos mal feitos são mais do que uma estatística. Porque parte dessas mulheres não são mais do que raparigas.

Porque quero que as minhas filhas e as filhas delas tenham essa escolha.

Porque não abdico dela.

quinta-feira, novembro 23, 2006
requiem ; 12:00 da manhã


[this one doesn't need an introduction. i'll leave the ranting like a madwoman about the king's breakfast for some other day. the image is a link, by the way, if anyone's interested.]


Gritos, choros, lágrimas e safanões. Os pontapés nas costelas: dói mais e estão à mão. A cabeça está entre os braços e não é um bom alvo. Demasiado perigoso.

Afinal de contas, homicídio é crime.

Quieta, não te mexas, deixa-te estar. Se estiveres muito quieta, calada, talvez ele se cansa.

Talvez ele pare.

A menina bonita olha a cena com olhos calmos e sorriso trocista.

Os vizinhos param e ouvem e escutam e voltam à lida. Afinal cada qual sabe de si e em sua casa cada um é rei. E coscuvilhices e maldizeres não é com eles, que são gente séria.

Respira, devagar, não te mexas. A menina bonita segura o gato malhado entre os braços. Continua a cena, bolinha vermelha ao canto do ecrã imaginário. Continua mesmo depois de acabar.

Marcas na pele e marcas no espírito.

Calada, quieta, se não contares é menos real. Ninguém tem nada que saber. A culpa é dela. Foi ele quem disse e ela acredita.

A menina bonita abana a cabeça e põe o gato no chão. O gato salta para cima do sofá e enrola-se numa bola, como fazem os gatos.

Bom sono, bichano.

E se de noite alguém vier e cortar a garganta àquele senhor tão sério e honesto que mora no terceiro esquerdo, temos pena. De certeza que o gato não viu nada e a menina bonita olhou para o lado, sorriso ameno nos olhos de bruxa.

terça-feira, novembro 21, 2006
The King's Breakfast ; 11:13 da tarde


[One more of Milne's shameless poems. I'll write a post about it when I feel like ranting like a madwoman... wait, that could be now... on a second though, I'm feeling too lazy just now.]


The King asked
The Queen, and
The Queen asked
The Dairymaid:
"Could we have some butter for
The Royal slice of bread?"
The Queen asked the Dairymaid,
The Dairymaid
Said, "Certainly,
I'll go and tell the cow
Now
Before she goes to bed."

The Dairymaid
She curtsied,
And went and told the Alderney:
"Don't forget the butter for
The Royal slice of bread."

The Alderney said sleepily:
"You'd better tell
His Majesty
That many people nowadays
Like marmalade
Instead."

The Dairymaid
Said "Fancy!"
And went to
Her Majesty.
She curtsied to the Queen, and
She turned a little red:
"Excuse me,
Your Majesty,
For taking of
The liberty,
But marmalade is tasty, if
It's very
Thickly
Spread."

The Queen said
"Oh!"
And went to his Majesty:
"Talking of the butter for
The royal slice of bread,
Many people
Think that
Marmalade
Is nicer.
Would you like to try a little
Marmalade
Instead?"

The King said,
"Bother!"
And then he said,
"Oh, deary me!"
The King sobbed, "Oh, deary me!"
And went back to bed.
"Nobody,"
He whimpered,
"Could call me
A fussy man;
I only want
A little bit
Of butter for
My bread!"

The Queen said,
"There, there!"
And went to
The Dairymaid.
The Dairymaid
Said, "There, there!"
And went to the shed.
The cow said,
"There, there!
I didn't really
Mean it;
Here's milk for his porringer
And butter for his bread."

The queen took the butter
And brought it to
His Majesty.
The King said
"Butter, eh?"
And bounced out of bed.
"Nobody," he said,
As he kissed her
Tenderly,
"Nobody," he said,
As he slid down
The banisters,
"Nobody,
My darling,
Could call me
A fussy man -
BUT
I do like a little bit of butter to my bread!"

~A. A. Milne~

quarta-feira, novembro 08, 2006
shut up ; 9:50 da tarde



[..."boyfriends, girlfriends, old friends."]

I miss you.

Truly.

Not just because it's the new thing, missing people.

(Have you heard, though? All the cool kids are doing it nowadays.)

I really, truly do miss you.

Does it surprise you? You always blamed me for us falling apart. We fought over that, a couple of times.

I know you are right, though I never told you so.

Nor will I ever.

But it just hit me today.

I miss you.


sexta-feira, setembro 22, 2006
Prayer Before Birth ; 9:33 da tarde



[I love this poem. Adrian took it to class once. It's beautiful]

I am not yet born; O hear me.
Let not the bloodsucking bat or the rat or the stoat or the
club-footed ghoul come near me.

I am not yet born, console me.
I fear that the human race may with tall walls wall me,
with strong drugs dope me, with wise lies lure me,
on black racks rack me, in blood-baths roll me.

I am not yet born; provide me
With water to dandle me, grass to grow for me, trees to talk
to me, sky to sing to me, birds and a white light
in the back of my mind to guide me.

I am not yet born; forgive me
For the sins that in me the world shall commit, my words
when they speak me, my thoughts when they think me,
my treason engendered by traitors beyond me,
my life when they murder by means of my
hands, my death when they live me.

I am not yet born; rehearse me
In the parts I must play and the cues I must take when
old men lecture me, bureaucrats hector me, mountains
frown at me, lovers laugh at me, the white
waves call me to folly and the desert calls
me to doom and the beggar refuses
my gift and my children curse me.

I am not yet born; O hear me,
Let not the man who is beast or who thinks he is God
come near me.

I am not yet born; O fill me
With strength against those who would freeze my
humanity, would dragoon me into a lethal automaton,
would make me a cog in a machine, a thing with
one face, a thing, and against all those
who would dissipate my entirety, would
blow me like thistledown hither and
thither or hither and thither
like water held in the
hands would spill me.

Let them not make me a stone and let them not spill me.
Otherwise kill me.



~Louis MacNeice~

quinta-feira, setembro 14, 2006
Disobedience (see post below) - the point I was trying, but obviously didn't succeed in making ; 7:15 da tarde



About Disobedience, I do not think I made my point clear (as was brought to my attention, thanks Bee :P ), so here it goes.

I was trying to make a comparison (which maybe I should have plainly made instead of leaving it to an open interpretation) between the poem and the several traditional fairy-tales which so adorably tell us of maidens in distress.

James James Morrison's mother is just such a maiden (probably not literally. lol). And very badly treaten by the author, I should say.

First of all, rather than an individual, she exists only in relation to James. Throughout the whole poem she is known to us as James James Morrison's mother, or some variation of that.

Second, by disobeying her three-year-old know-it-all son, she got herself in all kinds of troubles and alas, there was no prince charming about to do the rescuing. But had she been a good, dutiful (and modest, did you see the bit about the golden gown? Slut!) woman, and listened to her son, she would have been safe enough and not received the natural punishment for her recklessness.

It is explicit throughout the whole poem that the whole business was entirely her fault, and she brought it all upon herself for being such a thoughtless, irresponsible creature who just would not do what her son so wisely told her to.

Thirdly, the author objectifies Jim's mother by stating that she got "Lost or stolen or strayed" or also "mislaid", all words that would more easily be applied to a set of keys or a pet, than a person.

The final blow to her character is James hardly seeming worried about his mother, but only about being blamed for all that happened - which, as stated before, was so not his fault, wise enlightened creature that he is in opposition to her.

And this is the stuff that keeps brainwashing kids all over the place. I knew there was a reason I didn't like A. A. Milne.

And there, I'm done with my ranting. Screw James. I bet his mother just ran away out of sheer boredom, tired to death of his holier-than-thou attitude.

quarta-feira, setembro 13, 2006
Disobedience ; 12:45 da manhã



[Poems for children. Aren't they cute and adorable? There's nothing like a nice bit of propaganda before bedtime. This one goes to all the nice ladies out there.]


James James
Morrison Morrison
Weatherby George Dupree
Took great
Care of his Mother,
Though he was only three.
James James Said to his Mother,
"Mother," he said, said he;
"You must never go down
to the end of the town,
if you don't go down with me."

James James
Morrison's Mother
Put on a golden gown.
James James Morrison's Mother
Drove to the end of the town.
James James Morrison's Mother
Said to herself, said she:
"I can get right down
to the end of the town
and be back in time for tea."

King John
Put up a notice,
"LOST or STOLEN or STRAYED!
JAMES JAMES MORRISON'S MOTHER
SEEMS TO HAVE BEEN MISLAID.
LAST SEEN
WANDERING VAGUELY:
QUITE OF HER OWN ACCORD,
SHE TRIED TO GET DOWN
TO THE END OF THE TOWN -
FORTY SHILLINGS REWARD!"

James James
Morrison Morrison
(Commonly known as Jim)
Told his
Other relations
Not to go blaming him.
James James
Said to his Mother,
"Mother," he said, said he:
"You must never go down to the end of the town
without consulting me."

James James
Morrison's mother
Hasn't been heard of since.
King John said he was sorry,
So did the Queen and Prince.
King John
(Somebody told me)
Said to a man he knew:
If people go down to the end of the town, well,
what can anyone do?"

(Now then, very softly)
J.J.
M.M.
W.G.Du P.
Took great
C/0 his M*****
Though he was only 3.
J.J. said to his M*****
"M*****," he said, said he:
"You-must-never-go-down-to-the-end-of-the-town-
if-you-don't-go-down-with-ME!"

~A. A. Milne~

sábado, julho 29, 2006
Cântico Negro ; 9:24 da tarde


[I thought it was time for some local colour. José Régio was not Alentejano, but he spent most of his life here - in Portalegre, actually - which only proves he was a man of taste who could not help having been born in Vila do Conde, something we must forgive him for. :D)

"Vem por aqui" - dizem-me alguns com olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos
meus olhos , ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...
A minha glória é esta:
Criar desumanidades!
Não acompanhar ninguém.
- Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre da minha mãe
Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...
Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "vem por aqui!"?

Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...
Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.

Como, pois, sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?...
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...

Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tectos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha Loucura !
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...
Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém!
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou,
É uma onda que se alevantou,
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
Sei que não vou por aí!


~José Régio~

sábado, julho 22, 2006
There Was Once ; 9:18 da tarde



- There was once a poor girl, as beautiful as she was good, who lived with her wicked stepmother in a house in the forest.

- Forest? Forest is passé, I mean, I've had it with all this wilderness stuff. It's not a right image of our society, today. Let's have some urban for a change.

- There was once a poor girl, as beautiful as she was good, who lived with her wicked stepmother in a house in the suburbs.

- That's better. But I have to seriously query this word poor.

- But she was poor!

- Poor is relative. She lived in a house, didn't she?

- Yes.

- Then socio-economically speaking, she was not poor.

- But none of the money was hers! The whole point of the story is that the wicked stepmother makes her wear old clothes and sleep in the fireplace.

- Aha! They had a fireplace! With poor, let me tell you, there's no fireplace. Come down to the park, come to the subway stations after dark, come down to where they sleep in cardboard boxes, and I'll show you poor!

- There was once a middle-class girl, as beautiful as she was good.

- Stop right there. I think we can cut the beautiful, don't you? Women these days have to deal with too many intimidating physical role models as it is, what with those bimbos in the ads. Can't you make her, well, more average ?

- There was once a girl who was a little overweight and whose front teeth stuck out, who -

- I don't think it's nice to make fun of people's appearances. Plus, you're encouraging anorexia.

- I wasn't making fun! I was just describing.

- Skip the description. Description oppresses. But you can say what colour she was.

- What colour?

- You know. Black, white, red, brown, yellow. Those are the choices. And I'm telling you right now, I've had enough of white. Dominant culture this, dominant culture that.

- I don't know what colour.

- Well, it would probably be your colour, wouldn't it?

- But this isn't about me! It's about this girl.

- Everything is about you.

- Sounds to me like you don't want to hear this story at all.

- Oh well, go on. You could make her ethnic. That might help.

- There was once a girl of indeterminate descent, as average looking as she was good, who lived with her wicked -

- Another thing. Good and wicked. Don't you think you should transcend those puritanical judgemental moralistic epithets? I mean, so much of that is conditioning, isn't it?

- There was once a girl, as average-looking as she was well-adjusted, who lived with her stepmother, who was not a very open and loving person because she herself had been abused in childhood.

- Better. But I am so tired of negative female images! And stepmothers?they always get it in the neck! Change it to stepfather, why don't you? That would make more sense anyway, considering the bad behaviour you're about to describe. And throw in some whips and chains. We all know what those twisted, repressed, middle-aged men are like.

- Hey, just a minute! I'm a middle-aged -

- Stuff it, Mister Nosy Parker. Nobody asked you to stick in your oar, or whatever you want to call that thing. This is between the two of us. Go on.

- There was once a girl -

- How old was she?

- I don't know. She was young.

- This ends with a marriages right?

- Well, not to blow the plot, but - yes.

- Then you can scratch the condescending terminology. It's woman, pal. Woman!

- There was once -

- What's this was, once? Enough of the dead past. Tell me about now.

- There-

- So?

- So, what?

- So, why not here?


~Margaret Atwood~


the lazyness of me ; 8:56 da tarde



The blog's been dead for a while.

Sorry about that.

I'm a somewhat lazy sort of person - as most who know me will testify to - and I seem to suffer from some strange form of ADD that prevents me from being able to sit quite for five minutes and just write something brilliant and original. Or at all, for that matter.

Yeah, I know, hail a cab - that joke is getting downright old.


So I decided that in the absence of brilliant and original me - and modest, yeah, I've heard - I may settle for brilliant and original someone else.

Now, I'm not particularly happy with that solution - being the enormous well of self-awareness that I am - as I may tend to get a bit too confortable; but hey, there are no perfect ways to solve problems. Luckily for me, there are easy ones, though.

So hopefully this should give a bit more rhythm to the blog. Hopefully.

Stick around.

Peace.

sance

sexta-feira, julho 14, 2006
boys are such children ; 7:24 da tarde




A menina percorreu a sala devagar, pé ante pé, para não acordar o gato adormecido. A branca-de-neve sorriu e deu uma fita cor-de-rosa à menina. Mas a menina não era bem do tipo cor-de-rosa e já tinha uma maçã.

Muitas maçãs aliás.

A menina tinha um caixote de maçãs a que não sabia o que fazer.

Uma maçã por todas as vezes que tinha dito que não.

Uma por todas aquelas que tinha dito uma verdade que não o era bem, ou de todo.

Uma maçã por todas as vezes que não tinha feito coisas que de qualquer maneiras não queria fazer, mas que devia - ou assim argumentava a aranha.

A menina tinha um caixote de maçãs embrulhadas umas nas outras. Nem todos os jogos são divertidos, menina pequena, já devias ter aprendido.

A Senhora olhou para o caixote das maçãs e sorriu.

Tolos, todos eles.

Não aprendeste menina, e já não vais a tempo. Não adiciones maçãs novas, se não queres, mas as velhas não se desenleiam, só se enrolam mais no que seria um ridículo novelo de maçãs, se estas se enleassem num sentido outro que o figurado.

Suspiro.

Não há nada de verdadeiramente errado com maçãs, mas até as meninas pequenas e com caixotes de maçãs têm uma consciência.

De vez em quando.

domingo, abril 23, 2006
Equality for Women and What That Means [or Why No More Pots and Pans] ; 10:46 da tarde



[a pedido de varias famílias ;) ]


Pat Robertson tells us that "[feminism is] a socialist, anti-family, political movement that encourages women to leave their husbands, kill their children, practice witchcraft, destroy capitalism and become lesbians."Well, yes Pat, but only in our spare time.

Early feminists had an easy task at hand, with definite goals and a clear agenda: the right to vote; the right to learn; the right to work; the right to own property - yes, for there would be years before we could lay claim to our bodies, and the results of that are yet to be seen. The modern world learnt subtlety and suddenly western women are no longer kept under the oppressive rule of male domination. Or so men keep saying.

Apparently women in Africa and in the Middle East are oppressed but not western women. They have reached equality and they ought to be celebrating. And so, because they are no longer sold in marriage, and because they can vote and be elected and not be stoned to death on the grounds of adultery, they must be glad and overlook the fact that a great many deal of them are still getting paid less money for equal work; being denied jobs because they can get pregnant; being denied the right to abortion because their bodies are not their own; being deemed weaker, "emotional", and "angry at men" for remarking on the still existing differences in treatment for both genders.

A girl's childhood is spent among Barbie-dolls and fairy princesses who require being rescued by a prince in order to be happy ever after. And the girl is told "don't run", "don't shout", "that's not ladylike". And she grows up into someone who must, in order to succeed in life, be a wife and a mother and a career woman, and excel at all three. And what could otherwise have turned out to be a strong, confident, well-adjusted individual is still waiting to be rescued. And they keep saying there is no discrimination. And they keep shouting it.

Of course many people would point out that men are also discriminated against. I am not arguing that, I am sure they are in a great many ways. However, at a very primary level, this is still a world largely dominated by men and their rules: culturally, historically, and socially. It is patent in the very way we speak: words like mankind; the use of the masculine form to indicate generality; even the word "woman", some feminists might add.

It has been often said that it is foolish to pursue equality for men and women, since both genders are essentially different, with very unique, distinctive features. As I see it that is a very common misconception of what feminism aims at, which is not equality per se, but rather equal rights. It is nothing but the simplest notion that both a men and a woman are worthy of an opportunity and both capable of doing a good job. More than that, it is the realization that men are not "helping around the house", but only doing their fair share of the work, and that women do not require people to open doors for them. It is also the understanding that being judged for one's fabulous legs and wonderful breasts is not flattering but insulting and one of many ways through which women are objectified, not only by men but by themselves.

Some have argued that feminism is a way of self-discrimination, that through it women are adding to their own sense of difference and self-prejudice. However, the time for women to bow and serve and keep silent about it is long gone in the western culture. That was brought about by women who dared to remark on the difference and rebel against it. No one ever achieved anything by keeping quiet about it. Generations of women who still bow in the corner of their minds keep being bred by a society that perpetuates values of a dying world. And women want no more compromises. "Men, their rights and nothing more; women, their rights and nothing less."

sexta-feira, abril 21, 2006
Untitled ; 11:21 da tarde


[so it's obviously not the essay. sorry girls, i think i'll just leave it out for good]


Bom dia doçura.

Duas meninas e um beijo pequenino, um gatinho sentado ao canto da sala.

De castigo.

Três anões desceram a rua com canecas de cerveja na mão e uma canção sobre um pirata, que dizia YO YO, e mais qualquer coisa. Eram sete, os anões, mas os outros já tinham morrido e também não faziam muita falta.

Só faz falta quem está.

Canções de meninas estrangeiras que entram por um ouvido e ficam. Outras coisas de outras meninas também. Muitos livros empilhados numa sala. Por uma empilhadora de verdade, amarela e com luzinhas. Três passos em direcção ao rio. Chuva e sol e um arco-íris.

Aposto que não sabiam que esse por aí andava.

A primeira Senhora olhou lá para baixo e riu divertida. Tontos. A outra Senhora também olhou, mas não é do tipo risonho.

Mas sorriu, bela e sombria e bela. Três penas de corvo no mármore e uma gotinha vermelha na neve.

Boa noite doçura.

sábado, março 25, 2006
closer to fine ; 12:02 da manhã




Palavras, cadeias, marcos, pois.

Palavras erradas, palavras não ditas, palavras que faltam. Demasiadas perguntas sem resposta. Demasiadas respostas a perguntas erradas.

Respostas erradas.

A menina fez o simples complicado e agora tem a cabeça em água. Ora pois. Não pode partir a cabeça ao culpado, nem dizer nada, e isso parte-lhe a cabeça a ela.

Um bocadinho.

Respira fundo, menina, grande espreguiçadela, ombros para cima e depois para baixo. Respira mais um bocadinho, ouvi dizer que faz mal quando paras. Sorriso.

Riso nervoso.

As desculpas não se pedem, evitam-se. Encolhe os ombros. Pois. Demasiada cabeça, coisa estranha. E pensa e pensa e pensa e não devia. E diz que não se importa mas sim. E começa a notar-se.

É complicado.

Não podes ser ambas, menina, e não podes escolher uma. Talvez um hobby. Escreve depressa para não sair asneira.

Sem pensar.

Era uma vez uma menina e ela descobriu o que preferia não saber. Que quem olha vê e não gosta. Não sempre. E essa menina cresceu e tudo correu bem. Eventualmente.

Como? Um mistério. Mas se um menino acabou com a cabeça partida no processo, tanto melhor.

E a menina sorriu, pequena maçã escondida na algibeira.

Tinha saudades, maçã.

Palavra.






and the less i seek my source for some definitive, closer i am to fine

quarta-feira, março 08, 2006
too much goes into a title ; 9:54 da tarde



[Lazy , lazy, lazy. Bloody mess...]



Mentirinhas pequenas, gestos mudos e olhares de saudade.

Não. Não de saudade.

Espelhos, pessoas-espelho. Olho e gosto mas longe do olhar longe do coração.

Coração de pedra, menina? Nem por isso.

Não gosto, não gosto e não consigo deixar de gostar. Ciúme tonto, menina.

Tonto não o ser. Tonto.

Tem-se dez anos e a vida é simples, arquétipos de modelo de brincar. Saber quem se é e como se é. Mas as meninas crescem e mudam, ou descobrem que não são o que eram.

Mentirinhas pequenas e meias palavras. Alusões obscuras e uma vida secreta. Contos de fadas já não fazem sentido e não temos outros que façam.

E perguntaram, é por ele gostar dela? E eu disse que não. Mas é. Isso e mais alguma coisa, mas isso.

Monstros debaixo da cama.

Compreenderiam, todos eles, ou pelo menos aceitariam. Sei que sim. Mas calo e aceno e sorrio e não digo. Num mundo perfeito, talvez.

E calo e aceno e sorrio e não digo.

quinta-feira, fevereiro 16, 2006
so long, farewell, au revoir, auf wiedersehen ; 10:05 da tarde



[..."boyfriends, girlfriends, old friends."]


Foste o meu passado.

Segredos, segredos, segredos numa noite sem lua. A ti não conto, não entendes.

Estás enganado, menino, muito enganado. Um grande prémio para quem adivinhar, dois passos para ficar milionário.

Olho para trás e não encontro. Não vejo o que via.

A menina está farta de jogos sem regras.

Há uma razão, há sempre uma razão. Talvez tu não compreendas.

Foste o meu passado e não me interessa.

Não realmente.

A menina bonita não é boa pessoa. Ooops.

Olha para o lado, menina bonita, fecha os olhos. O que está para trás ficou para trás.

Os meninos não gostam, estão zangados.

Pena.

Tens um segredo e eu tenho um segredo e não conto.

Perdeste o direito de saber. Há muito tempo.

Por isso não chateies, menino bonito, vai dar uma curva.

Já lá vai o tempo em que me importava.

segunda-feira, fevereiro 06, 2006
sete bagos de romã (excerto) ; 9:37 da tarde


[Not new, but not an even death may die oldie either]



O mundo é a preto e branco, mas ninguém sabe.

Todos vêm cores onde há apenas milhões de tons de cinzento. Cinzento onde amarelo, cinzento onde vermelho, cinzento onde azul.

O mundo é um quarto escuro, mas todos vêm luz. Mesmo os que não vêm. Todos vêm luz onde ela não há.

E todos tocam as pedras. E há choques. E todos insistem em continuar a tocar as malditas pedras. E não aprendem.

E nunca aprendem.

E há gritos. E choros. E nada. Perseguem-nos os gemidos ténues dos que não morreram. Dá-se-lhes com um martelo na cabeça, mas continuam vivos, com os miolos de fora. E gritam, revoltando-se ao menos em intenção, certos de que são bons.

E o sangue é vermelho. O sangue é sempre vermelho. E quente.

E o morcego, que dorme ao contrário, espreita o que se passa, por debaixo da asa. Mas não vê nada. Porque os morcegos são como as pessoas. Não vêm nada. Mas pensam que sim.

Ainda bem que pensam que sim.

Chora, pequena, chora. Olha uma martelada! Não choras mais.

E o tipo baixinho do bigode era um boneco que falou mais alto do que a conta. E quem chegou ao chão, não chegou ao céu. E não interessa.

Não verdadeiramente.

E quando alguém perguntou se sem relógios continuaria a haver tempo, mataram-se os relógios e a humanidade ficou eternamente parada nas onze e meia. E foi trágico, quando todos morreram de fome, parados a meia hora da hora de almoço.

E quando entraram no Céu do deus morto, todos afiançaram que eram bons.

E ganharam um chupa-chupa.

fairy tales (mas todas as fadas morreram) ; 9:20 da tarde



[Oldie]


Era uma vez uma princesa.

E ela era bonita, magra e linda, como todas as princesas são. E não era loira, porque nunca foi desenhado. Se o tivesse sido, teria passado a ser. Loira. E a princesa era boa, pois todas as princesas são boas e puras e delicadas.

E um dia a princesa bonita, magra, linda, boa, pura e delicada foi fechada numa alta torre por uma bruxa má. Porque todas as bruxas são más e feias e terríveis e é isso que fazem: fecham princesas em castelos ou torres, ou o que quer que tenham à mão naquele preciso momento. E a bruxa, que era também madrasta da princesa (porque é isso que as bruxas são, madrastas de princesas), não dava mais comida à pobre rapariga senão água e pão. E a pobre rapariga, que não comia pão, começou a ter muita fome e a ficar muito desesperada.

Então apareceu o princípe encantado, porque é nesta altura que eles geralmente aparecem, e lutou contra a bruxa má, feia e terrível. E salvou a pobre donzela em apuros, demonstrando assim a virilidade bem conhecida dos príncipes encantados que salvam donzelas em apuros.

E o príncipe apaixonou-se pela princesa, porque ela era princesa e bonita e magra e linda e boa e pura e delicada. E é isso que acontece.

E a princesa apaixonou-se. Porque o príncipe era encantado, belo e viril, e salvara a sua virtuosa pessoa das garras da bruxa feia e má.

E o anão, que era simplesmente um anão, carregou no botão. E a bomba atómica matou-os a todos, bruxa, princesa e príncipe. E se havia um rei, como decerto devia haver, morreu também.

E o anão foi fazer uma sandes, porque tinha um ratinho no estômago.

sábado, fevereiro 04, 2006
a história trágica e verídica do amor eterno - contada pelo rato do campo, que era um travesti ; 8:52 da tarde


[Another oldie. Sorry, kids. Getting bored, never a good sign...]


Morreste.

Tinhas de morrer. Era imperativo que morresses, que eu ficasse viva. Assim determina quem canta o fado, ou não canta.

Pois o amor eterno tem de ser belo, jovem e trágico.

E tem de ser veludo de encontro à pela, água cálida, banho de espuma. E alguém tem de morrer. Aí reside a eternidade dos que prometeram para sempre. É essa a verdade em que reside a tragédia e a doçura.

E passo de dança por detrás dos olhos, e beijo escondido por detrás da janela.

E todos os românticos fecham os olhos, deliciados, aéreos como só eles ficam, num estado que os aproxima dos deuses, enquanto caem ao abismo.

Ainda bem pelo abismo.

E quando caem por não ter asas, fecham os olhos e dormem.

E sonham.

E não importa. Não realmente. Porque a traça ama a chama quando nela morre, destino fatídico por ser quem é.

E se Adão mordeu a maçã, foi porque quis. Porque a desejou mais do que tudo. Porque a amou mais do que a um deus morto. E porque Eva lha deu.

E o homem cego sentou-se ao fundo das escadas.

E estendeu a mão.

quarta-feira, fevereiro 01, 2006
melodia a 3 vozes - mas as outras duas fugiram e nunca mais ninguém as viu ; 9:34 da tarde


[Oldie. Way too lazy to add something new today]


As ruas são escuras e desertas e as pedras são o eco dos passos lá percorridos, calcorreados, traços de pedra cinzenta e quadrada e redonda, fragmentada. As capas negras voam por cima dos ombros e quem olha pensa que vê e percebe e compreende.

Nem tanto.

Ouve-se ao longe uma guitarra e alguém canta. Algo. Brinde, passo, mão, livro, cartilha.

Livro.

Anfiteatro nas ruas que descem e algo mais nas que sobem. Pedras brancas, casas brancas, pescadores à beira rio. Um copo de vinho e uma piada - meninas tapem os ouvidos.

Ora é o tapas.

E riem. Por algum tolo motivo riem.

E há os olhos e os comunas e os outros; e os que se importam e os que nem por isso; e os estrangeiros e os nacionais e os que não são. E todos brilham, cinco minutos de fama.

Façam vénias, meninos, façam vénias.

Camões piscou o olho - o bom, porque o outro já não pisca - e ninguém viu. Só eles. E riram mais.

Pois sim, sr. Ministro, tem razão, sr. Ministro. Vá para o diabo, sr. Ministro.

Escreve, escreve, depressa que já não apanhei. A chuva cai do céu e todos olham para cima.

Chuva na cara.

Capas ao ombro e vénia.

Desce a cortina.

terça-feira, janeiro 31, 2006
delírios da criança velha em pano branco numa noite sem lua ; 7:08 da tarde




Desci devagarinho as escadas de madeira. Ri nervosamente. Dois passinhos, três passinhos, uma boneca afogada num lago.

Estendi a mão e eras tu.

Duas pinceladas, pano branco, tela. Brinquedos histéricos de crianças crescidas. Ri outra vez, baixinho para não acordarem. O senhor de branco pegou-me na mão, anda comigo doçura.

Lá se foi a cabeça do senhor de branco.

Tinta vermelha por todo o lado. Confusão, confusão, dois passinhos escada abaixo. Olha para trás, doçura, de quem sãos os dois olhos brilhantes? Um quarto grande, tão bonito o quarto grande.

Brilhante.

Olha um gatinho. O gatinho mau roubou uma sardinha da cozinha. O cozinheiro está zangado. O que é que o cozinheiro zangado vai fazer ao gatinho ladrão? Mau Maria, mau Maria.

Eu não digo nada. Chiu.

Esconde os olhos com as mãos, menina bonita, para não te verem. Devagarinho, chiu, escada abaixo.

Brilhante, o metal aguçado. Parece prata, tão lindo. Cuidado, é afiado. Uma gotinha vermelha no pano branco.

Chiu, não acordem.

Três passinhos escada abaixo, menina bonita.

Fecha os olhos e boa noite.

o homem louco e a tela de brincar - que era prima da tela a sério ; 7:04 da tarde


[Oldie. Just some more apples lying around]


Era um vidro quebrado no meio do chão. Porque a Alice passou para o outro lado do espelho e não voltou. Nunca voltou.

Temos pena, Alice.

O ratinho saltitão encontrou o seu caminho até à ratoeira, por entre pedaços de queijo francês. Estava bolorento, o queijo. E o ratinho morreu. Porque é sempre o rato a morrer nestas histórias.

O pequeno príncipe deu um beijinho à princesa e foram os dois caçar rãs, por entre sedas cor-de-rosa e renda inglesa. E o cavalo branco, regalia de todos os príncipes, seguiu-os devagar, olhos fechados para não ver o caminho.

E o gato sorriu.

E em algum momento, não antevejo bem qual, tudo isto se tocou naquilo que foi o quadro nunca pintado pelo homem louco. E todos sorriem, no quadro. Todos o pintam e todos sorriem.

Menos o homem louco.

O homem louco segura o pincel e não sorri. Pinta traços furiosos na brancura colorida da peça.

E não sorri.

Os lábios murmuram um nome que não existe já. E o pincel abranda. Pega na tela e atira-a ao fogo.

O homem louco sai de casa e senta-se debaixo de uma macieira.

Pega numa maçã e dá uma dentada.

E fecha os olhos.

E sorri.

segunda-feira, janeiro 30, 2006
tricksters ; 7:09 da tarde




És o meu segredo.

Ela ri-se e observa divertida, mordaz, cruel. Um balde de pipocas e uma coca-cola.

Maçãs.

Jogos e apostas e catarse.

Duas Senhoras debruçam-se da varanda e fecham os olhos. Dão dois dedos de conversa, coscuvilhices divinas aos cantos das janelas: velhas alcoviteiras sem mais que fazer.

Perdão. Belas, as Senhoras. Pena de corvo e mármore esculpida.

Sem coração.

Jogos e piadas e humor negro. Partidas omnipotentes, fantoches com cordas demasiado curtas.

Pequenas tentações.

Perdes o teu tempo, lua, vai brincar para outro lado.

Este palco está vazio.

A bailarina morreu. Resta agora apenas o chão, destituído e manchado.

Uma caixa de sapatos com memórias dentro. Contas, bocadinhos de vidro e cartas velhas.

Uma rainha de madeira numa casinha de brincar.




sete bagos de romã (excerto) ; 7:00 da tarde



[A rarity. The only post of the (very) short lived second edition of even death may die]


Vejo ainda o meu olhar preso na respiração dela.

Sombras no rosto dela, sombras a dançar no rosto dela. A luz da lua no rosto dela, dois fios de cabelo.

Foste a soma de tudo aquilo que eu admiro na humanidade. Ofereci-te o céu, esquilo, e tu aceitaste porque me fazia feliz. E fazia-te a ti, por defeito, feliz.

Tristemente ridículo e incrivelmente estúpido.

E enfurecia-te que assim fosse. Alguma vez te disse como ficas bonita quando estás zangada? Demasiado doce, esquilo, demasiado doce para seres como nós.

Sem coração.

E não te enganes, nunca o tive. Podia dizer que te amei, e se pudesse amar alguém ter-te-ia amado a ti. Mas nunca amei ninguém. Não estou certo de possuir tal capacidade. Não que me importe. Se tivesse uma consciência ter-me-ia decerto importado, mas tal não é o caso.

E que importa, afinal?

Ninguém pode perseguir fados opostos e alcançar ambos. Não podias desejar ser como nós ao mesmo tempo que desejavas ser feliz. Porque nós não procuramos a felicidade, esquilo. Somos loucos e poetas e os loucos e poetas não procuram a felicidade.

Não de verdade.

Actores num palco sem tela, perdemos o texto algures nos bastidores e improvisamos com descaramento, sorriso trocista dirigido à audiência.

E eles amam-nos, como podem não nos amar? É a eles próprios que vêm quando nos olham.

Não escolheste o teu lugar, esquilo, continuas com um pé no palco e outro na plateia. Um oferece-te os aplausos; o outro, o espectáculo.

E tu quere-los ambos, actriz armada em prima donna.

Ninguém pode amar algo tão desesperada, tão apaixonadamente, que nada mais importe. Nem tu, esquilo, nem tu. Amores assim só existem nos livros, em livros que não este.

Um amor maldito, uma morte antes de tempo e a glória eterna. Mexe tudo e leva ao forno. Pois sim, batam todos palmas no descer da cortina.

Porque não é real.

Porque podia ser.

Porque não é.

domingo, janeiro 29, 2006
o caos como origem divina ; 7:35 da tarde


[Another oldie]


O caos é o pai de todos os deuses.

Todos o adoram e veneram, porque nele nasceram e a ele regressam no findar do desejo. Por isso os deuses não são bons nem maus, mas tudo isso e um pouco mais. Os deuses são o absoluto.

O caos é o pai da poesia.

Toda a poesia nasce no caos e toda a poesia a ele regressa na volta do verso. E por isso a poesia é gentil e cruel ao mesmo tempo. E por isso a amamos.

O caos é o pai da prosa.

Nele se inventa e nele encontra a ordem. Por isso a prosa é vulgar e profana. Por isso cabe debaixo do tapete ou dentro do alguidar.

O caos é o pai da noite e por isso todos os gatos são pardos. Por isso todas as estrelas caem até não haver nenhuma.

O caos é o pai do dom e da queda. E por isso todos os anjos perdem as asas, no findar da noite.

O caos é o regresso e o rodopio, o fechar os olhos e o esquecer.

Nada há no caos senão o tumulto e o aconchego.

Nada há no caos senão a neve.

Nada há no caos senão o manto.

sete bagos de romã (excerto) ; 7:27 da tarde



Olá lua.

Uma aranha teceu uma teia até à lua, por onde subiu uma vaca. Muito de mansinho, para não partir a teia.

Mas quando estava quase a chegar lá acima, e porque a teia era muito inclinada, começou a deslizar para trás, muito depressa. E veio parar ao chão. E a aranha disse bem feita, que as teias não são para vacas lá andarem.

Uma menina estava no chão a fazer um puzzle que contava a história da vaca, da aranha e da lua. E quando muitos anos depois a menina morreu, quando já não era uma menina, o puzzle ficou no chão do quarto.

E as portas e janelas da casa foram entaipadas por tijolos ciumentos. E a hera cobriu as paredes, comendo devagarinho a cal. E os bichinhos que ficaram lá dentro começaram a comer a madeira das escadas, e começaram a ficar gordos.

Gordos e lambões.

Na rua as pessoas passavam e lá estava a casa, velha e a cair, palácio encantado de uma princesinha há muito morta, casebre decadente de uma bruxa velha esquartejada por um príncipe, e quarto encantado do puzzle mágico no chão do quarto.

E vaca malhada a subir a teia, e aranha medrosa a olhar de baixo, e lua branca a olhar de cima.

E as pessoas passam e lá continua a casa, bela e a cair, bela porque a cair, doce e saudosa lá continua a casa, lá continua a casa, lá continua a casa.

E lá continuam os bichos.

E lá continua o puzzle. O puzzle e a aranha. Lá continua a aranha. Aranha. Teia. Escadas e bichos. Varandas cegas para a rua. Um cão a ladrar na casa ao lado.

Uma menina morta entaipada nas paredes, morta, nas paredes, a vaguear pela casa que lá está quando as pessoas passam.

A casa das pessoas que passam. A casa das pessoas. A casa da menina e o quarto do puzzle. E uma vaca e uma aranha e uma lua.

E a lua.

E hera a subir pela lua acima.

Hera na lua.

E a casa.

E o puzzle.

sábado, janeiro 28, 2006
história do espelho que morreu envenenado por uma maçã ; 10:45 da tarde




[An oldie, from the original even death may die. I love it]


Três artistas em palco, no cinema mudo.

Gesto, gesto, passo. Grita a donzela em perigo, som que não passou de intenção, gesto e tela. Flores vermelhas, no cenário branco.

Sangue sobre seda, Branca-de-Neve morta no caixão.

Os anões choraram, mas foi porque assim estava escrito que fariam. E na realidade ganhou o Espelho, entidade eterna na parede. Mesmo quebrado ali jaz o espelho, para sempre nos versos da história.

Espelho meu, espelho meu.

E até aqui vemos a maçã. Para a mais bela. Sempre para a mais bela. Branca-de-Neve, morta no caixão, ou Afrodite num trono de prata.

E a Rainha sorri, bela e rancorosa. E não morre no fim. Não realmente. Apenas assim nos fizeram crer. Mas não. Não mesmo.

E ainda bem.

Pois a Rainha é a única personagem verdadeira. É a única pessoa da história. E dela a maçã.

E se algures nestes meandros há uma serpente, a ela o pó da terra. Assim está escrito.

E ela ri-se do que está escrito. Não sabe ler. E se soubesse mais se riria de tamanho absurdo. E aconchega-se docemente nos braços do Anjo, e observa deus por entre as pálpebras semi-cerradas.

E a Senhora colhe uma maçã, no Jardim.

E atira-a lá para baixo.

Para a mais bela.




Back On-Line ; 8:51 da tarde



So I'm back on-line which probably means I'm bored or in serious need of commitment to a mental facility.

Also I'm typing wearing mittens 'cause it's bloody freezing. Thus I hope all will be kind enough to forgive any typos.

As you all can see, Even Death May Die has a new skin. That is not due, as some may think, to my inconstant Gemini temper but to some wacky bug in the original skin which I was unable to fix. Well, to hell with that.

I don't really know how long the blog will last. Hell, if it's anything like the last time I brought it back, it won't live until tomorrow. Still, for however long, it's good to be back. I'll probably post some of the old texts again when I'm too lazy to write some new ones, or just because I really like them.

Whichever the case, thanks for reading;).

sancie

.Self

"Some people say that cats are sneaky, evil, and cruel. True, and they have many other fine qualities as well." - Missy Dizick

twin blog:gospel of random

[MAIL]Send me your thoughts... or don't, whichever.

.Shoutbox




.Gone by
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Julho 2006
Setembro 2006
Novembro 2006
Fevereiro 2007
Maio 2008

.Randomness


.Credits and stuff
designer - [Tetsuo]
image - [Pyromaniac]